Category

LIFESTYLE

VAMOS MOVIMENTAR A CULTURA E APRECIAR O QUE UBERLÂNDIA TEM DE MELHOR NA SEGUNDA VIRADA CULTURAL DE UBERLÂNDIA!

Em setembro, terá mais uma edição da Virada Cultura, em Uberlândia. O evento é gratuito e acontece nos dias 6 e 7 no próximo mês, no Teatro Municipal. A Segunda Virada Cultural de Uberlândia promete agitar a cidade, com mais de 150 artistas, muitas atrações entre música, teatro, cinema, literatura, artesanato e oficinas de Grafite, Origami e Poesia, incluindo um festival gastronômico com food trucks e valorização da culinária regional.

SEGUNDA VIRADA CULTURAL DE UBERLÂNDIA
Saravashivaya | Reprodução: Facebook

A Virada Cultural é evento bastante importante para a cidade, pois além de dar a oportunidade aos artistas da região, o público irá conhecer estes talentos e será incentivado a apreciar a arte regional. Então, preparem-se que, nesse feriado da Independência do Brasil, Uberlândia vai proclamar mais uma vez a independência cultural.  A Segunda Virada Cultura de Uberlândia  acontecerá no dia 6 às 14 h e no dia 7 às 16h. Ficou curioso para saber sobre a programação? Acompanhe o evento da Segunda Virada Cultural no Facebook (clique aqui)

RAINBOW É O MELHOR ÁLBUM DA CARREIRA DA KESHA

Depois de uma batalha jurídica contra o produtor Dr. Luke, no qual, a cantora alega que sofreu “abusos sexuais, físicos, verbais e emocionais”, Kesha volta no cenário musical com tudo (Amém!) e com o álbum Rainbow!

O álbum Rainbow mostra o lado psicodélico e um lado mais profissional da cantora, deixando-a mais madura e com uma voz bastante potente. Nas canções, a cantora exibe a sua verdadeira identidade, versatilidade e até um recadinho direto ao Dr. Luke na canção Praying.  Estamos torcendo para que Kesha continue com seu sucesso e que seja livre e que possa ter sua plenitude artística.

Rainbow Tour já começou e infelizmente ainda não temos nenhuma data confirmada para o Brasil! Ouça o álbum abaixo e veja o comentário da cantora em todas as faixas para a NPR Music.

Bastards

“Bastards” é uma música que eu escrevi sozinha em um violão às 4 da manhã. Eu escrevi ela porque não entendo por que as pessoas são más pra c*ralho umas com as outras, mas não posso mudar isso e escrever sobre é como eu lido com tudo. Eu escrevi essa música para pessoas que dificilmente entendem isso também. Eu simplesmente não gosto de valentões, e a gentileza não é superestimada. Quando eu falo sobre isso com meus amigos, eles riem de mim e me dizem que eu soo como se tivesse 5 anos – mas é verdade, é muito bom ser legal.”

Let ‘Em Talk

“Let ‘Em Talk” é uma das minhas músicas favoritas no álbum. É uma espécie de parte de um trilha para corridas: basicamente é sobre os mesmos bastardos que tentam derrubá-lo, mas é sobre não ligar para eles, deixar de controlar as coisas e deixá-los fazer o que vão fazer de qualquer jeito. Você não pode impedir que eles falem sobre você, então deixe-os falar e, enquanto eles estão falando sobre você, apenas dance e ria sobre isso.”

Woman

“Woman” é outra das minhas músicas favoritas. Esta música é sobre ser uma mulher, um ser humano e orgulhosa da confiança que encontrei. Eu finalmente sinto que ganhei o direito de dizer “eu sou uma mulher da p*rra”. E eu sempre tive esse direito, mas eu apenas me sinto como uma mulher agora mais do que nunca.

Eu escrevi esta música com dois homens incríveis [Drew Pearson e Wrabel] que são tão maravilhosos e tão fabulosos, que têm lados femininos realmente fortes e que realmente adoraram escrever essa música comigo. Foi uma experiência muito bonita escrever esta música com dois homens.

Eu também lembro de pensar em um dos meus sonhos mais selvagens que eu adoraria que os Dap-Kings tocassem na faixa. Mas então eles fizeram e Saundra Williams, que cantou com Sharon Jones, cantou vozes de fundo também. Espero que você possa perceber o quão divertido foi quando você escuta a música.”

Hymn

“Hymn” é uma música que é para pessoas que sentem que não têm um hino. Ao crescer, nunca senti que me encaixava em qualquer lugar. As letras são “este é um hino para os ímpios, crianças sem religião” – e a religião, para mim nesta música, não significa religião como na sua crença espiritual. Mas é mais sobre crianças sem formas ou regras de vida específicas, ou que não conhecem sua verdade absoluta – como se você ainda estivesse tentando descobrir o que você acredita e qual é a conexão com o universo e a vida.”

Praying
“Praying” é uma música que é realmente especial para mim. Eu sinto que mostra minha voz de uma maneira que nunca foi exibida antes em toda a minha vida. E é a primeira vez que trabalhei com Ryan Lewis, o que é realmente emocionante. Sou um grande fã de seu trabalho com Macklemore. Ele veio até mim com essa idéia, e pensei que era tão bonita porque acho muito importante encontrar cura.

‘Orar’ para mim é meditação; Também é realmente enérgico, é realmente introspectivo, é muito pessoal. A própria música também é uma espécie de todos esses mesmos pensamentos – É falar sobre passar por coisas difíceis e sair do outro lado e estar bem. Há uma letra que diz: “Às vezes rezo por você de noite”, e isso é apenas algo que adotei como um mantra de cura para mim. Ex-namorados, presidentes que eu não gosto – eu realmente rezo por eles, porque isso me ajuda e isso me ajuda a curar.”

 

Learn To Let Go

“Learn To Let Go” é uma música que escrevi com minha mãe e Stewart Creighton. No primeiro dia, nós tínhamos escrito essa melodia incrível, mas depois ficamos presos, e eu estava tão frustrada. No dia seguinte, tomamos café da manhã com um amigo meu. E o simples fato de estar falando com ela me inspirou, eu estava tão inspirada em estar em torno de alguém que teve o passado que teve, mas ainda é uma fonte de luz.

Stuart sempre me diz que eu estava na piscina e fui correndo até ele com uma idéia selvagem para o verso, pré-refrão e refrão, pingando em um traje de banho antigo – e essa ainda é a voz que está na música finalizada.”

 

Finding You

“Eu trabalhei com Ricky Reed em “Finding You”, e também Justin Tranter, que costumava estar nesta banda chamado Semi Precious Weapons; Ele é meu amigo há anos. Esta música começa com um riff de guitarra realmente interessante, estranho – mas ainda bonito -. Foi aí que começamos: tentando encontrar melodias realmente estranhas.

Eu era como, “Sim, vamos ficar com isso!” – e então foi como, “O que nós fazemos com isso?” Então nos sentamos no chão e só começamos a falar, e eu lembro de falar sobre meu namorado – sobre como eu realmente o amo. E eu também realmente, realmente espero que eu tenha múltiplas vidas, porque não consigo suportar o pensamento de apenas uma vida com as pessoas que eu amo. Então, esta música é sobre minha crença de que temos grupos de almas e quando eu morrer eu quero encontrar as pessoas que eu amo na próxima vida. Uma vida não é suficiente quando você ama alguém tão profundamente que dói.”

Rainbow

“Rainbow” foi a primeira música que escrevi para 0 disco. Eu estava em reabilitação tratando de meu transtorno alimentar. Eu estava sentada no chão, e eu implorava a direção da reabilitação para me deixar ter um teclado por uma hora a0 dia e, finalmente, eles cederam. E por essa uma hora por dia eu brinquei com o instrumento e escrevi “Rainbow”. “Rainbow” era apenas minha promessa, minha carta para mim mesma de que as coisas iriam melhorar. Foi meu mantra, porque no final de uma tempestade vem um arco-íris. É também a oitava canção no Rainbow, uma referencia para “God Only Know” em Pet Sounds.”

Hunt You Down

“Hunt You Down” é uma música que fiz com Rick Knowles. Eu estava ouvindo muito Dolly Parton e Johnny Cash e Waylon Jennings, e outros foras da lei da música country. Eu queria voltar às raízes. Lembro-me de ouvir uma música onde um cara estava falando sobre como ele tinha o revólver no bolso e ele ia atirar na garota porque ela estava dormindo com seu melhor amigo ou algo assim. E eu estava tipo, “OK – Bem, se um homem pode dizer isso, então vou escrever uma música sobre como se você me enganar, eu vou te matar”. Então, é isso que é “Hunt You Down” – é uma espécie de resposta feminista e linguada a todas as músicas de cowboy fora da lei da perspectiva masculina sobre mulheres traidoras.”

Boogie Feet

“Boogie Feet” é uma música realmente divertida que fiz com minha mãe e Drew Pearson. Nós nos reunimos e não sabíamos que tipo de música escrever – tudo o que sabia era que eu só queria escrever uma música muito divertida. Eu estava com vontade de escrever uma música do c*ralho, e eu disse: “Você está com medo desses pés dançantes?” Lembro-me de minha mãe dizendo: “ah não”, e Drew estava tipo, “Isso é realmente apenas ruim”, e todos estavam rindo de mim. Eu disse: “Não, apenas confie em mim – é ruim, sim, mas de uma boa maneira. Há uma linha tênue”.

Boots

“Eu sempre imagino cenas para as coisas quando eu escrevo, então, quando eu estava imaginando o vídeo para “Boots”, eu estava me vendo andando pelo meio da rua, no meio do deserto com as mais velhas botas de cowboys, como se estivesse saído de um filme de Quentin Tarantino. As letras estão falando sobre como eu costumava ter meninos em todo os lugares, o que eu achava que era muito legal – e, de repente, minha estilista me apresentou a esse cara chamado Brad, e agora eu o fisguei e eu o amo. É uma canção de amor jovem, divertida, sobre ficar pelada com suas botas, divertida.”

Old Flames (Can’t Hold a Candle To You)

“Old Flames (Can’t Hold a Candle To You)” é uma música que minha mãe escreveu para Dolly Parton. Foi lançada em 1980, e também foi regravada por Johnny Cash, June Carter, Dolly Parton e Merle Haggard. É um clássico da música country. Eu cantei muitas vezes em meus shows, e já gravei ela antes – no meu EP Deconstructed. Eu simplesmente amo a música – está na nossa família, e sempre foi um sonho gravá-la com Dolly Parton. Sempre foi uma daquelas coisas que são muito absurdas para falar alto, então você não fala sobre. Eu me senti boba dizendo isso em voz alta, porque, quero dizer, é Dolly Parton.

Sempre olhei com Dolly. Eu sempre quis fazer uma tatuagem: “O que Dolly faria?” Porque penso nisso sempre que estou em situação de escolha ou quando estou numa entrevista. Ela é apenas uma bússola tão positiva para mim na minha carreira como mulher. O fato de eu realmente ter cantado “Old Flames” com ela neste álbum é um negócio realmente, realmente, muito grande para mim – eu sonhei muito grande, mas eu não tinha certeza se isso realmente aconteceria. Ainda assim, sempre que eu escuto isso, me deixa arrepiada e me faz chorar porque ela é uma lenda do c*ralho; Ela é um ícone. Estou tão agradecida. Este álbum é especial por tantos motivos.”

Godzilla

“Minha mãe começou a escrever “Godzilla” há muito tempo. E ela mostrou para mim e me lembro de pensar, “Esta é a melhor música. Eu amo essa música pra c*ralho”. E pensei que outro artista iria lançar ela. Isso foi há anos. E eu estava tipo, “Estou tão feliz por você. Mas se alguém não lançar, eu definitivamente adoraria gravar essa música”. É tão caprichosa. Isso me lembra a música “Vegetables” de Brian Wilson. É tão bizarro, mas brilhante, bonito e estranho.”

Spaceship

“Spaceship” é sobre como eu sinto que sou um pouco empática e frágil demais para este mundo. E há até uma estrofe no segundo verso que diz: “Há muita dor para esse coração. Deus sabe que este planeta se sente como um lugar sem esperança. Graças a Deus, eu vou voltar para o espaço sideral”. Eu espero que quando morrer, que eu apenas viaje para o espaço e encontre minhas amigas de alma e nós simplesmente flutuemos juntas no éter do espaço. E, no final da faixa, é como se uma nave espacial voltasse para o espaço. Eu sinto que talvez, como eu me sinto desconexa aqui embaixo, talvez eu me sinta em casa, finalmente, quando voltar para lá.”

 

NAMORADOS OU SOLTEIROS? LEIA A POSTAGEM E DEIXA SEU COMENTÁRIO SOBRE

Olá Hipotemusos,
Estamos no mês em que se comemora o dia dos namorados e esse assunto tem que cair na roda, e a discussão aqui é em cima da pergunta: afinal de contas, é melhor namorar ou ser solteiro?

Tudo depende da fase que estamos passando pelas nossas vidas, por isso não existe um campeão definitivo para essa discussão, e se alguém tem dúvida de qual caminho seguir, nada como uma consulta com um psicólogo de confiança para te ajudar a ficar firme independente da decisão.

Mas, no mundo da internet a gente pode dar palpite, então inicialmente, vamos falar um pouco das vantagens de ser solteiro. Sair quando quiser e quando bem entender sem dar satisfação para quase ninguém e beijar na boca de quem interessar é sentir a brisa da liberdade batendo nos cabelos. Ter experiências sozinho como uma viagem ou até mesmo ir ao cinema, também podem ser levados em consideração. No quesito economia de dinheiro, isso já não dá para garantir se a pessoa for mais saidinha, agora se ela estiver a fim de segurar as pontas para juntar grana, não vai ter parceiro (a) que invente um passeio de última hora que te faça gastar sua mirrada poupancinha e você também ficará livre de compras de última hora nas datas especiais.

Ser solteiro é muito bom, mas a grande maioria das pessoas tem no seu código genético uma programação básica que a leve desesperadamente a querer formar um parzinho nessa vida. E quando rola a química acontece o namoro que também tem muita coisa boa. Ter a cia de alguém para fazer as coisas simples e as mais grandiosas é sentir o conforto da segurança de poder contar com alguém para te apoiar nesses momentos. Se quando solteiro o legal era beijar novas bocas, quem namora quer aprofundar na experiência das relações carnais e descobrir coisas que não se faz com quem não se tem muita intimidade. Casais espertos enriquecem juntos, vai faltar dinheiro as vezes porque você vai ter que sair para comprar presentes ou pagar um jantar no susto, mas o dinheiro pode voltar quando decidirem compartilhar algo como uma viajem ou as compras da geladeira do mês, tudo é uma questão de equilíbrio, e então o casal pode ter conquistas que não alcançariam se estivessem solteiros.

Todos temos a chance nessa vida de sermos solteiros ou de arrumarmos um namorado (a), basta nos permitirmos e nos jogarmos nesse mundão cheio de oportunidades, é só tiramos da nossas cabeças o preconceito a futilidade e passamos a enxergar todas as oportunidades que a vida nos dá. Então, vamos comemorar esse lindo dia, estejamos solteiros ou namorando. Eu mesmo quando estava solteiro, dava presente no dia dos namorados para meus amigos solteiros e a gente saia para comemorar. E quando estava namorando, sempre fazia questão de tornar o dia inesquecível, então não tem desculpa para se curtir a vida nessa data especial.

 

VENHA OUVIR E SEGUIR A PLAYLIST DO BLOG NO SPOTIFY

Olá Hipotemusos!

Ahhh hoje é sexta-feira, e nada melhor que curtir um som babadeiro para mexer o esqueleto e descer até no chão, né? Por isso preparei uma playlist bafo no Spotify para curtir aquele momento com os amigos no caminho para ir para a balada ou ate mesmo fazer a balada em casa.

Essa Playlist do blog será sempre atualizada com os melhores lançamentos e nostalgias para você viver e reviver bons momentos. Tem Pablo Vittar, Spice Girls, Britney Spears, Gloria Groove e outros que farão sua noite ficar inesquecível.

Bom, chega de falar e vamos dar close, aperte o play e curta a vibe! Ah, não se esqueça de seguir a playlist para ficar salva em seu perfil e poder ouvi-la quando quiser.

 

xoxo

 

VENHA CONHECER TRÊS CLOSES ERRADOS PARA NÃO GANHAR AQUELA GONGADA CLASSUDA

Manas, essa expressão de close errado já está enraizada na nossa cultura tropical, e quem dá o vacilo, pisa na bola, faz besteira, fala bobagem, foge à regra, entre outros, logo ganha uma gongada classuda: tá dando close errado kirida.


Vale então, para as despreparadas de plantão, fazer aquela listinha basic dos três closes que considero mais errados que se já viu na história da face dessa linda Terra. Vamos lá:

Preconceito

Presente desde a época em que a gente balançava nos galhos de bananeira, esse monstro sombrio que empurra para beirada da sociedade as minorias e os menos privilegiados em nome de uma cultura de dominação, continua nos rondando e nós não perdoamos quem está nessa onda errada. Não respeitar a individualidade do próximo, deixando com que ele seja, faça e exista do modo que quiser e que lhe é permitido, dentro é claro dos limites da ética social, é close erradíssimo. Alguém existir ou deixar de existir segundo as preferências e vontades de outro é uma condição lamentável que só empurra o indivíduo para trás, e esse negócio de mostrar poder e força para os outros humilhando o próximo, é coisa de bicho na floresta, e a gente já sabe andar em pé nas duas patinhas muito bem, não existe mais espaço para isso. Então, manas, juntas vamos combater qualquer tipo de preconceito.

Liberdade para ser como quiser, porque a vida é só sua.

Falta de respeito

Todos temos uma história que só a gente sabe o que passamos para chegar até o momento em que nos encontramos agora, e não é justo alguém vir e cometer um abuso, seja lá qual seja o motivo. Desrespeito é invadir o espaço de alguém e despertar nessa pessoa coisas ruins e tristes. Acho que ninguém deveria ser propagador de energia negativa e sentimentos maus. O close fica bom quando estamos ali para despertar boas vibes, reconhecendo o próximo como um indivíduo da sociedade que só tem a agregar e que está ali para unir a nós fazendo parte desta grande aldeia global em que vivemos. Seja familiar, amigo ou desconhecido, pensar que ele tem um espaço ao seu redor e que seus sentimentos são importantes, faz a diferença para que o dia seja melhor e mais fácil para todos nós.

Cada um no seu quadrado.

Leia o post: “MACHISTAS NÃO PASSARÃO”

Machismo

A treta é tão séria que para todo lado que se olha o negócio está lascado. Durante toda a história da humanidade, os machos usaram sua força e abusaram das fragilidades das mulheres para construir uma cultura de abuso. Não faz muito tempo que as manas têm se unido para fazer uma limpeza cultural para erradicar qualquer traço de machismo nas relações sociais. É uma tarefa árdua e difícil e que precisa de muita ajuda, porque ainda falta bastante para que a situação mundial ao menos pareça menos discrepante. Então, ao menor sinal de machismo, seja lá de quem for, vamos botar a mão na cintura, dar aquela sambadinha e dizer, close errado aqui não monamour. O legal é estar antenado no feminismo, porque ele é o delicioso e igualitário futuro que nos espera.

Sim, feminismo deve ser uma luta constante.

 

É claro que essa lista poderia ser enorme, porque a gente gosta é de coisa grande né, mas o tempo está corrido e o mais importante é dar um start nesse debate super atual que é o close errado do dia a dia que aparece por aí, e nós, sempre atualizados, vamos chamando atenção para o que a gente acha que não está legal. Abraço apertado de estufar os olhos e até o póximo textão.
Imagens: Divulgação Sense 8, porque tá na moda essa série.

VOCÊ  É MACHISTA OU JÁ TEVE ATITUDES MACHISTAS? ESTÁ NA HORA DE MUDAR!

Oi, Hipotemusos!

Acredito que o machismo é um tema que deve ser sempre discutido e está sempre presente, infelizmente, em nossas vidas.  Primeiramente, vamos entender o que é machismo? Machismo baseia-se na supervalorização das características físicas e culturais associadas com o sexo masculino, tendo a crença em que homens são superiores às mulheres, resumindo em duas palavras: Close Errado!

“Mas Rafael, eu não sou machista ou nunca tive nenhuma ação machista, por que devo ler este post?” Certeza, darling? O post te dará entendimento sobre este assunto, irá fazer você repensar alguns atos e, até no final desta postagem acredito que irá lembrar de alguma ação machista que já teve. Vamos conhecer alguns pensamentos machistas?

  • Relacionar tarefas domésticas com as mulheres.

Achar que apenas as mulheres da casa devem fazer as tarefas domésticas é algo que deve ser abolido. Nenhuma mulher precisa ser prendada para casar ou ter obrigação de realizar as tarefas domésticas para serem consideradas mulheres de verdade e muito menos achar que “servem” apenas para serem donas de casa e para reprodução.

 

  • “Mulher no volante, perigo constante!”

Fazer piadinhas e falar que mulheres não sabem dirigir é o fim! Se elas possuem a carteira de habilitação é por estarem aptas para dirigir e não é uma particularidade do gênero, ok?

 

  • “É só chegar beijando!”

Ninguém merece estar sujeito ao assedio, mas é muito comum homens abordarem mulheres de tal maneira.  Que tal chegar numa boa sem ser invasivo? Chegou na mina e ela disse “não”, respeite-a! Ela não é lésbica por não querer nada com você e mesmo se ela for aprenda a respeitar as diferenças. Ah! Caso ela esteja acompanhada, peça desculpa para o casal e não apenas para o cara que estiver com ela.  A roupa que ela usa não pode ser levada em situações de assedio e/ou estupro.

  • O homem deve ganhar mais que as mulheres

Vamos largar desta bobeira que os homens têm que ter o salário maior que o das mulheres, né? A pessoa tem que receber pelo profissional que é, e não pelo sexo. Larguem de orgulho e deixem as mulheres também pagarem a conta para vocês algum dia, isso não vai afetar sua masculinidade. E para os garçons, podem entregar para as mulheres a conta sem nenhum problema, ok?

 

  • “Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”

Mete sim! Mete colher, garfo e qualquer talher que estiver ao alcance! Primeiramente, sou contra qualquer tipo de violência, físico ou verbal, e nada vergonhoso em ver um homem agredindo uma mulher.  Seja cortês, aprenda o diálogo!

Estas foram algumas abordagens machistas que acontecem em nosso dia-a-dia. Espero que vocês possam refletir depois desta postagem sobre alguns atos machistas e saber respeitar aa mulher em nossa sociedade. Caso tenha gostado da postagem, deixa seu comentário sobre o assunto e você mulher poste nos comentários mais tópicos machistas para deixarem os leitores mais cientes.

xoxo

QUER VIAJAR PARA MONTEVIDEO? VEJA AS DICAS DO NOSSO NOVO COLUNISTA , CLÁUDIO BARBOZA, E APROVEITE A CHARMOSA CAPITAL URUGUAIA

Primeiro deixe-me apresentar, afinal de contas porque é que o que eu acho de Montevideo importa. Sou Claudio Barboza, 29 anos, advogado, mas nas horas vagas sou um #wanderlust isso significa que viajo loucamente pelo mundo na busca do meu autoconhecimento. Nessa brincadeira já foram 24 países, e uma centena de cidades, passeios, aventuras e um sem-fim de experiências com viagens. Mas chega de autopromoção, e vamos a charmosa capital Uruguaia.

montevideo
Pelas nas Ruas da Ciudad Vieja

Luciana-dorca-pilates-rafael-silva-hipotenusa-style-(3)

CONHEÇA UM POUCO SOBRE OS BENEFÍCIOS DO PILATES E UMA INDICAÇÃO DE STÚDIO EM UBERLÂNDIA

Olá Hipotemusos,

Comecei um projeto já faz alguns tempo para cuidar da minha saúde. Estava totalmente parado, sem realizar nenhum exercício físico e comendo muito mal por sinal. Minha postura estava terrível, sentia algumas dores chatas nas costas devido a má postura. Com ápice das dores e uma vida sedentária, dei um “chega” e fui atrás de meios que poderia me ajudar na melhoria da qualidade de vida. Foi assim que encontrei o pilates! <3